← Voltar para a Home

← Voltar para o Blog

Dia Mundial de Luta contra Aids

Postado em 1 de dezembro de 2019.

Você já se perguntou por que as campanhas sobre HIV, AIDS e Infecções Sexualmente Transmissíveis diminuíram? Se eu te falar que as pessoas estão cada vez mais descuidadas em relação ao uso de preservativos, você concordaria?

Hoje, dia 1 de dezembro, é o Dia Mundial da Luta contra a AIDS e o meu texto, baseado em dados de 2018, tem o propósito de alertar sobre a importância do uso de preservativos em qualquer situação, seja você mulher, homem, adolescente, adulto ou idoso (sim, há gente transando em qualquer idade!), em relacionamento fixo ou não. Ninguém está imune de acordo com sua idade ou situação conjugal, portanto é um recado para todos. Além disso, vou abordar assuntos que serão novidade para muita gente. Vamos lá?

HIV e números

Segundo a ONU, nos últimos 8 anos, os novos casos de HIV no Brasil aumentaram em 21% e o que mais chama a atenção é que o número de jovens heterossexuais infectados aumenta cada vez mais. Há uma diferença: na população que se diz homossexual a porcentagem de pessoas que vivem com HIV é maior, porém é na população heterossexual que o vírus está se espalhando mais, gerando novos casos.

Na contramão do crescimento de novos casos, a disseminação de informações sobre HIV deu uma caída, portanto queria trazer um pouco mais de conteúdo, relembrando como se contrai HIV e assuntos que podem ser novidade para você, como HIV na gestação e PREP.

“Ter HIV” e “ter AIDS” são coisas diferentes

Nem todo mundo que vive com HIV tem AIDS.

“HIV” é o nome do vírus que entra nos corpos e nunca mais sai. Há muitas pessoas que vivem com HIV e não sentem absolutamente nada, são saudáveis, dispostas e se cuidam mais do que muita gente por aí!

“AIDS” é o termo dado para a síndrome (conjunto de doenças em diversos órgãos do corpo) que aparece no estágio avançado e grave da infecção pelo HIV.

Nem todas as pessoas com HIV desenvolverão AIDS, já que hoje em dia o vírus consegue ser bem controlado e, com medicações, evita-se chegar nesse estágio.

Como se contrai HIV?

 As formas de transmissão estão abaixo, divididas em 4 itens, olha que fácil! Todas as outras formas de transmissão que você escuta por aí, como beijar, sentar em vaso sanitário, aperto de mão, beber do mesmo copo, na verdade, refletem duas coisas: profunda desinformação e preconceito. Não sejamos essas pessoas, né?!

1.Sexo: seja anal, vaginal ou oral, não importa, todo tipo de relação sexual com um portador de HIV é passível de contaminação, mas depende muito da quantidade de vírus que a pessoa porta. Se a carga viral é quase nula, o que chamamos de “carga viral indetectável”, consideramos que o portador não transmite o vírus.

2.Transfusão sanguínea com bolsa de sangue contaminada, o que tem reduzido cada vez mais devido à cautela dos bancos de sangue.

3.Materiais cortantes: compartilhar agulhas, seringas ou qualquer tipo de objeto perfurocortante. Por exemplo, eu, que sou médica, posso estar suturando uma pessoa com HIV, a agulha ficará com sangue contaminado e se eu me furar com a mesma agulha temos uma situação potencial de contaminação. Outro exemplo, quando várias pessoas se reunem para usar alguma droga que seja injetável e, em vez de cada uma ter sua agulha, compartilha-se a mesma agulha entre todos.

4.Gravidez e amamentação: o vírus pode chegar ao feto durante a gestação ou por meio do leite materno, porém, atualmente, o risco da transmissão vertical é menor do que 1% quando a gestante faz o tratamento durante a gravidez. Já a amamentação deve ser evitada, pois o vírus passa pelo leite; essa é a recomendação, inclusive, para mulheres com carga viral indetectável. Fora do Brasil há estudos sobre ordenhar o leite e ofertar ao recém-nascido após preparo, algo como uma pasteurização, mas essa novidade ainda não chegou aqui, então a recomendação brasileira é que o leite não seja oferecido, sendo as fórmulas fornecidas gratuitamente pelo SUS ou se pode recorrer a bancos de leite.

Gravidez e HIV

Quero já iniciar dizendo que nenhuma mulher que vive com HIV deve ser desencorajada a engravidar, pelo contrário, ela deve ser atualizada sobre como se cuidar para ter uma gestação e parto saudáveis.

Pouco se fala nisso, mas há casais “sorodiferentes” em que a mulher vive com HIV e o parceiro não. Se essa mulher está com carga viral indetectável, eles terão relação sexual, o homem não contrairá HIV porque ela não transmite e eles podem engravidar naturalmente!

Durante a gestação, o tratamento é recomendado e com isso se evita a transmissão vertical (mãe > feto), o parto normal é indicado como via mais saudável para mãe e bebê, assim como o é para qualquer mulher.

Eu já tive a sorte de acompanhar um casal desses, muita sorte porque o tanto que eu aprendi com eles não é mensurável! Ela teve o seu parto normal respeitoso como desejou e hoje eles são uma família linda.

Imagina como deve ser terrível mulheres que vivem com HIV ouvirem por aí que não devem ter filhos? Que essa informação te ajude a ampliar o seu e outros olhares. 

Prevenção com PREP

A PREP significa profilaxia pré-exposição e consiste na tomada de 1 comprimido por dia de antiretrovirais para evitar contrair o HIV. Ou seja, quem vive com HIV usa medicações para controle do vírus, essas medicações são os antiretrovirais, e hoje em dia há essa possibilidade de se tomar 1 comprimido por dia para reduzir as chances de infecção, caso você se exponha a esse risco em alguma circunstância. Essa medida é excelente e é muito utilizada pela população de homens que fazem sexo com homens e gays, profissionais do sexo e casais sorodiferentes em que ainda não há carga viral indetectável.  De forma alguma a PREP substitui o preservativo, ela apenas previne HIV.

Prevenção com preservativo

Pensando na via sexual de transmissão é preciso assimilar e tornar automático o uso de preservativo nas relações. Saiba que preservativo é o único método contraceptivo que também protege contra infecções, não só HIV, como várias outras (sífilis, hepatites, gonorreia, HPV). 

Aproveite o Dia Mundial da Luta Contra Aids para disseminar esse assunto por aí e renovar o estoque de preservativos!